Sobre Séries

5 Motivos para Assistir This Is Us

ThisIsUs
É para se apaixonar! <3

AVISO: esse post será totalmente LIVRE DE SPOILERS. Podem ler sem medo!

Estou pra escrever esse post desde o início de Fevereiro mas confesso que estou morrendo de medo de não fazer jus a beleza da série. Além disso, quero convencer a TODOS (this isn’t a democracy anymore!) a assistir a série porque, sério, a vida é difícil, ser humano é bicho complicado, o mundo anda um caos, Brasil nem se fala… enfim… precisamos de delicadezas no nosso dia-a-dia. E uma delas é This Is Us. Vai por mim.

Então, bora falar dessa série que estreou na Fall Season americana, que é sucesso mundial e que é a coisa mais linda que vocês assistirão (se já não assistem) nesse ano.

Vou citar 5 motivos pra vocês saírem correndo desse blog pra assistir (mas tem que ler primeiro!)


1. O PILOTO

ThisIsUs
Quem aí faz aniversário no dia 28 de Março?

É assim que começa This Is Us. Contado-nos o fato de que dividimos nossos aniversário com mais de 18 milhões de pessoas, segundo a Wikipedia. Mas essa introdução é só um pretexto para nos apresentar a 4 personagens que fazem parte dessa estatística mas que de forma alguma será o fio condutor da série. Ela começa e termina no episódio de estreia.

Assisti o piloto por conta do meu Projeto Fall Season, que consiste em assistir todos os pilotos das séries que estreiam naquela season. A Fall Season de 2016 foi realmente desafiadora para o Projeto porque estrearam 63 séries nesse período. Sim, 63! :O E eu assisti a todos. Pilotos de série são tipo as 20, 30 ou 50 primeiras páginas de um livro, eles têm pouco tempo para te fisgar e criar o interesse para que tu continues assistindo. É difícil, se pararmos para pensar.

Mas This Is Us passou nesse desafio com louvor simplesmente porque o piloto é ma.ra.vi.lho.so. Começa com a estatística; vai numa crescente, apresentando-nos a personagens incríveis e histórias cativantes; e atinge seu apogeu com uma reviravolta incrível no final. É um piloto perfeitinho, redondinho e cativante. O objetivo de te fazer viciar é devidamente cumprido.

2. MILO VENTIMIGLIA…

ThisIsUs
Milo só de toalhinha? Queremos!

Muitos de vocês devem conhecê-lo por Gilmore Girls, eu o conheço por Heroes e suas tentativas de salvar a cheerleader… rsrsrsrsrs Conhecendo ou não, a verdade é que ele está na série e está arrasando corações, invadindo sonhos, mexendo com o nosso imaginário. Ele fica lá na tela esfregando esse sorrido bonito, essa barba gostosa, esse corpo nhamnham e esse personagem lindo que é Jack Pearson.

Vamos falar de Jack Pearson porque se Milo não faz seu tipo, Jack fará. Depois que assistires a alguns episódios da série, Jack vai virar referência futura de marido. Vai por mim!

Eu tô esperando até agora o personagem fazer besteira, ter defeitos imperdoáveis, me fazer querer socá-lo, mas isso ainda não aconteceu. Dá medo! Quem pode ser tão perfeitinho assim? Existe isso, não! Enquanto isso não acontece, eu vou só aproveitando… rsrsrsrs

3. …E O RESTO DO ELENCO

ThisIsUs
O melhor elenco que você respeita. *bends down*

Me empolguei demais no item anterior e nem comentei a atuação suprema do Milo… rsrsrs Mas não é só ele que está arrasando na atuação, o elenco inteiro está! Quero vê-los ganhando Emmy, Globo de Ouro, People’s Choice… A atuação deles traz um peso maravilhoso para o drama que é impossível não se identificar! Mais um motivo pra assistir, viu? ;)

4. O ENREDO

ThisIsUs
O maravilhoso casal Pearson. <3

É drama mas é bom, entendem? rsrsrs Não é um dramalhão mexicano, exagerado ou fantasioso. É drama real, daquele que pode acontecer comigo, contigo, com o casalzinho da esquina…  São assuntos pertinentes e importantes que merecem atenção e debate. É o nosso dia-a-dia levado pra tela de uma maneira muito intensa mas ao mesmo tempo tratado com muita leveza, muito respeito e suavidade… É isso que traz verossimilhança pra série… É a harmonia de tudo… É até difícil de explicar! :)

5. A DIVERSIDADE

ThisIsUs
E viva a diversidade!

Temos a adoção de um negro por uma família branca e sua luta para lidar com a situação, a procura desse adotado por seu pai biológico, a dificuldade da criação de trigêmeos, uma pessoa frustada com seu profissional a procura de mudança, a luta de uma obesa por aceitação e amor próprio, temos bullying, temos transtorno de ansiedade generalizada, briga de irmãos, rivalidade, a superação do luto… São assuntos que trazem riqueza a série e não permitem que fiquemos aquém deles. Não tem como não se identificar (já falei isso, né?). Não tem como não chorar.

Confesso: tenho chorado em TODOS os episódios.

TODOS.

T.O.D.O.S.!

O episódio tá quase no final e eu penso: “legal, hoje eu não choro”. (Sabe de nada, inocente!) Daí acontece algo e lá estou desabando em frente da TV. Parece que coraçãozinho não vai aguentar mas ele aguenta… :D


This Is Us quebrou recordes antes mesmo de estrear com o primeiro trailer chegando a 70 milhões de visualizações no Facebook. E recentemente recebemos a notícia maravilhosa que ela já foi renovada para uma segunda e terceira temporadas!

E se depois disso, eu ainda não te convenci a assistir pelo menos o piloto, toma o trailer pra fechar com chave de ouro.

Depois me digam se não se apaixonaram.

Smacks! ;*

Andei Vendo · BEDA · Projeto Summer Season · Sobre Séries

Projeto Summer Season 2016: as Séries que já Assisti – Parte III

E vamos ao terceiro, e último, post do Projeto Summer Season!
Para ver as duas primeiras partes é só clicar na primeira parte ou na segunda parte.

Queen of the South

Nascida e criada no México, Teresa teve de aprender a se cuidar sozinha desde pequena, aprendendo rapidamente como se virar na vida, inclusive financeiramente. Esperta, perspicaz e observadora, ela irá sempre atrás do melhor para sua vida, baseada em sua própria conduta moral. Então, quando seu namorado traficante é assassinado, ela partirá como refugiada para os Estados Unidos, mas determinada a vencer ao seu modo – ainda que ela tenha de formar novas alianças, desbancar um criminoso influente e, assim, assumir a chefia de um poderoso cartel de drogas

Não gostei. :P É legal ver protagonistas femininas. Mulheres mostrando a sua força mas fora isso… não gostei do enredo e nem da atuação Alice Braga. Pra mim a personagem não funcionou, faltou química com Güero (o namorado). Essa coisa de colocar brasileira para se passar por mexicana saiu pior que a encomenda. Feliz de ver uma brasileira em destaque numa série e espero que faça sucesso, mas não funcionou pra mim.

Greenleaf

A história apresenta a trajetória familiar de Greenleaf, liderada pelo pastor James (Keith David) e sua esposa Mae (Lynn Whitfield). Os dois controlam uma igreja que se transformou num centro comunitário reunindo centenas de fiéis, predominantemente afrodescendentes, na cidade de Memphis, Tennessee. Mas por trás dos discursos de fé existem escândalos, que manifestam a avareza, adultério e rivalidade entre irmãos que afetam não só a família de Greenleaf como também os membros da igreja.

Errrr… Não.

Não sei se fiquei mais exigente nessa última rodada de séries mas Greenleaf não me agradou. E olha que tem intriga, segredos, mentiras… coisas que curto ver em séries mas que não curti nessa. É que entre tantas séries para assistir, algumas acabam ficando para trás se não chamam a atenção o suficiente.

Uncle Buck

A série irá focar em um homem com ares infantis que passa a aprender lições de vida depois de tomar conta do sobrinho, filho de seu irmão.

Parece uma cópia uó de Eu, a Patroa e as Crianças, sendo que a única coisa que salva são as crianças. Os demais personagens pecam na falta de carisma. Inclusive o personagem principal.

Vice Principals

Comédia criada por Danny McBride e Jody Hill, ambos de Eastbound & Down. A história acompanha a rotina de trabalho do vice-diretor de uma escola. A atriz Da’vine Joy Randolph interpreta a Dra. Belinda Brown, mulher poderosa e confiante que se torna a nova diretora da Lincoln High School. Já o ator Sheaun McKinney é Dayshawn, um sujeito que se dá bem com todo mundo. Funcionário da cafeteria da escola, ele tem certo receio de lidar com o Vice Diretor.

Apesar do diversos comentários negativos, eu curti. Não me fez gargalhar loucamente nenhuma vez, mas não achei ruim. O personagem principal é rabugento e divertido e parece que a série promete, mas não sei se vou continuar a ver porque já li que foi cancelada. :/ É clichezona, mas já vi piores.

The Get Down

The Get Down é uma saga mítica de como a cidade de Nova York, à beira do colapso financeiro, deu vida a uma nova forma de arte. Ambientada em 1977, este drama embalado pela música da época testemunha o surgimento do hip-hop e os últimos dias da disco music -– contados pelas vidas, música, arte e dança de garotos do South Bronx kids que mudariam o mundo para sempre.

Piloto maravilhoso! O roteiro, a ambientação, os atores, a TRILHA SONORA! Tudo bom demais! Mas faltou algo que me faça realmente querer continuar a ver. Ficou confuso? É, acho que nem eu me achei… hahahahahha Acredito que seja o que comentei em Greenleaf. Entre tantas séries pra assistir, algumas ficam pra trás por simplesmente não chamar a atenção.

Still the King

Criada e estrelada por Billy Ray Cyrus, a sitcom acompanha a vida de Vernon Brown, um ex-cantor country que, após vinte anos no ostracismo, reaparece em Laughlin, Nevada, como o segundo melhor imitador de Elvis Presley. Mas sua vida sofre uma nova reviravolta quando ele é preso por embriaguez e arruaça, sendo sentenciado a prestar serviços comunitários em uma igreja. Sem perspectivas, ele acaba assumindo a identidade do novo pastor da congregação, onde descobre ser pai de Charlotte (Madison Iseman) uma menina de quinze anos de idade.

Acho que Billy não se conforma de ser um cantor de um sucesso só e resolveu pitar em outras áreas, mas vou te dizer: deu ruim, Billy. Piloto clichezão DEMAIS! E os clichês nem são o problema quando a história é boa… o problema é que a história é fraca, com umas piadas muito batidas… Não rolou mesmo!


Fazendo um balanço geral: das 18 séries que estrearam, 4 continuei assistindo, 2 foram para a geladeira e 12 não tenho interesse em continuar.

Só para lembrar que todas as minhas impressões sobre as séries são baseadas somente no episódio piloto. :)

Então é isso. Acabou o Projeto e consegui assistir a 100% dos pilotos. Yay! \o/ Ainda estou decidindo se farei o projeto com as séries que estreiam no mid e fall season… É gostoso de fazer porque a gente acaba conhecendo séries maravilhosas, o que vale por todas as podreiras que a gente assiste… hahahaha

Smacks pra vocês! :*

Andei Vendo · BEDA · Projeto Summer Season · Sobre Séries

Projeto Summer Season 2016: as Séries que já Assisti – Parte II

E bora continuar comentando as séries que assisti para o Projeto Summer Season? Para ver a primeira parte, é só clicar aqui.

Roadies

Roadies dá o olhar de dentro das vidas imprudentes, românticas, engraçadas e muitas vezes comoventes de um grupo comprometido de “roadies” que vivem pela música e a família que eles formaram durante o caminho. A série de comédia ligada à música mostra o mundo do rock através dos olhos dos heróis anônimos da música e coloca em evidência as pessoas que trabalham no backstage para dar vida ao show na estrada enquanto excursionam pelos EUA com uma bem sucedida banda que toca em arenas. É a primeira série de tv criada pelo diretor Cameron Crowe (Vida de Solteiro, Jerry Maguire, Quase Famosos).

Não gostei. #prontofalei hahahaha Confesso que tive dificuldade em entender de início, acho que faltou uma boa introdução da história e dos personagens. Passei 50 minutos sem entender LHUFAS! Como fazem isso logo com o episódio de apresentação de uma série? O.o 

Animal Kingdom

Animal Kingdom é um drama de família centrado em Joshua “J” Cole, um garoto de 17 anos que se muda com seus parentes para um praia do sul da Califórnia após a morte da mãe, vítima de uma overdose de heroína. Logo, Josh mergulha na vida de indulgência e excessos da família, que ele logo descobre, é fundada em atividades criminosas. 

Detestei! Li que muitos compararam com Sons of Anarchy, o que é praticamente uma blasfêmia! Não mexam com minha SoA! hahahaha Mas falando sério, não vi essa semelhança. Personagens poucos carismáticos e uma temática que não me atrai. Ver personagens usando drogas metade do episódio… não, né?

American Gothic

American Gothic é um drama policial situado em Boston. A história acompanha a vida de uma família da alta sociedade que ainda sofre com a morte de seu patriarca. Mas o choque maior ainda está por vir. Logo descobrem que o falecido pode ter sido um assassino em série. Enquanto tentam lidar com a informação, surge a suspeita de que alguém da família pode ter sido seu cúmplice.

A série é baseada num quadrinho de Robert Kirkmann (o mesmo de The Walking Dead), o que curti logo de cara. :) Achei o piloto perfeito, ao contrário de algumas críticas. Não adianta, mistério e suspense serão sempre meus tipos favoritos de série. E American Gothic tem suspense, mistério, intriga, um pouco de doidice… Tudo que eu adoro! É claro que já estou acompanhando a série. A história tem se desenvolvido muito bem, espero que não perca seu ritmo!

Dead of Summer

Situado no final de 1980, a escola está em férias de verão, e uma estação ensolarada de “primeiras vezes” chega para os supervisores em Camp Stillwater, um acampamento de verão aparentemente idílico no centro-oeste, incluindo primeiros amores, primeiros beijos e as primeiras mortes. Obscura Mitologias locais sombrias despertam, transformando o idílico verão do interior dos Estados Unidos numa temporada de terror e pânico.

Então. Adoro suspense mas a temática de coisas sobrenaturais e fantasmas simplesmente não descem pra mim… Não vejo graça. Se fosse um suspense com serial killer ou um assassino no próprio camping… Mas essa coisa fantasiosa… não rola.

Stranger Things

Ambientada em Hawkins, Indiana, década de 1980. O desaparecimento de uma criança (Will) comove toda a cidade. Sem entender as circunstâncias do acontecimento, o chefe de polícia Hooper inicia uma investigação e se depara com experiências secretas conduzidas pelo governo. Enquanto isso, Mike, Dustin e Lucas – amigos de Will – tentam localizá-lo por conta própria, o que os levam a encontrar Eleven, uma garota misteriosa e com habilidades estranhas.

Gente, preciso comentar mais alguma coisa que ninguém já não tenho comentado? Série PERFEITA! Principalmente para quem curte a nostalgia dos anos 80. Ótimas atuações, ótimo enrendo, fotografia maravilhosa, trilha sonora super legal… Se você ainda não assistiu, assista! É óbvio que já maratonei! <3

The Night Of

Remake da britânica Criminal Justice, a história acompanha o caso de Nasir (Rizwan Ahmed), um jovem americano de origem paquistanesa acusado de matar uma mulher. Jack Stone (Turturro), um desleixado advogado de ‘porta de cadeia’, se apresenta como seu defensor. Ao longo da minissérie, o público acompanha as investigações realizadas pela polícia, bem como o desenvolvimento do processo, que fará uma análise dos sistemas jurídico e penitenciário.

Que série boa! Na verdade, é uma mini-série com episódios de uma hora mas que vale super a pena. Curti o piloto pra caramba e já estou morrendo de pena do Nasir… Quem vai acreditar nele sendo paquistanês? Ainda não dei continuidade a série mas já está na lista das próximas! :)


Só para lembrar que todas as minhas impressões sobre as séries são baseadas somente no episódio piloto. :)

Em breve, volto com a terceira e última parte do Projeto.

Smacks pra vocês! ;*

Andei Vendo · BEDA · Projeto Summer Season · Sobre Séries

Projeto Summer Season 2016: as Séries que já Assisti – Parte I

Lembram do Projeto Summer Season? (Se não sabe do que estou falando, clique aqui!) Então. Hoje estou aqui para falar um pouco do que já andei assistindo. :) Bora lá!

(clique no banner para visitar a página da série no IMDB)

Cleverman

Situada em um futuro próximo, a série acompanha um grupo de não-humanos lutando pela sobrevivência em um mundo onde os seres humanos se sentem cada vez mais inferiores e querem silenciá-los, explorá-los e matá-los.

Pra começar, achei o plot muito sem inovação. O mundo está dividido em dois tipos de seres, os humanos e os “não-humanos”, alguém que os humanos acham inferior, e baseada nessa premissa a série foca na guerra, no preconceito, na intolerância, na luta por igualdade, na marginalização,… Lembrou muito X-men, Distrito 9, as notícias que vejo no jornal das seis… :P Não é ruim mas não é muito a temática que chama a minha atenção. Não passei do piloto.

Feed the Beast

Tommy (David Schwimmer) e Dion (Jim Sturgess) são dois amigos à beira da falência emocional e financeira. Juntos, eles lutarão contra essa barra pesada alimentando um sonho: montar um restaurante de alta classe no lugar de onde vieram, o Bronx, mesmo após a perda de uma das idealizadoras do restaurante. Para crescer e vencer, eles terão de mostrar sua pior faceta, traindo e manipulando no trato com gente da pior espécie, de funcionários corruptos e pequenos criminosos a mafiosos violentos.

A.do.rei! Para mim, o episódio piloto foi perfeito! E olha que não costuma ser o tipo de série que curto… não chamaria minha atenção se não fosse pelo Projeto. Mas adorei o enredo, as intrigas, o drama bem balanceado e aquelas cenas do personagem Dion cozinhando… Sério! É de dar água na boca! Foi para a minha geladeira (onde coloco as séries que pretendo assistir… hahahahaha)

Braindead

Laurel (Mary Elizabeth Winstead) é a filha de um democrata que se afastou de Washington para se converter em uma documentarista. Mas quando seu irmão Luke (Danny Pino), um Senador, precisa de apoio político, ela volta à cidade para trabalhar em um congresso onde descobre que os extraterrestre comeram os cérebros de uma boa parte dos congressistas e funcionários, o que levou a uma paralisação do governo.

O que dizer dessa série que só mal assisti e já considero pacas? JURO que achei que o piloto não daria em nada mas confesso que NUNCA me diverti tanto (fica ali-ali com Modern Family!) Eu não curto comédias mas essa é outro nível! Imaginem todas as críticas a política possíveis e imagináveis com o plot de políticos acéfalos! Sério! É um humor negro MARAVILHOSO! A.DO.REI! As nuances, as críticas veladas (ou escancaradas como as frases iniciais), até a música! <3 E é a única série em que o Previously… é cantado! Gente, assistam! Sério. Vão com a cabeça aberta e assistam.

É claro que essa eu já estou acompanhando. Só espero que não seja cancelada. :/

Guilt

Guilt é um thriller que gira em torno de uma americana em Londres, que se torna a principal suspeita no assassinato selvagem de sua companheira de apartamento. Enquanto investigação se desenrola, os espectadores vão questionar se ela é uma menina jovem e ingênua, cujas decisões ruins de vida estão sendo ampliadas sob o olhar implacável dos tabloides britânicos, ou se ela é uma sociopata que assassinou brutalmente sua amiga.

Ah… minha paixão por suspense e mistério! <3 Não foi o melhor piloto mas promete! Gostei da história, do suspense e dos personagens. Se bem direcionada, tem tudo para dar certo! Está na geladeira mas quero tirar de lá o quanto antes. :)

Wrecked

Um avião cai em uma ilha remota no meio do oceano. Dois melhores amigos, junto a um grupo extremamente diversificado de sobreviventes, devem se ajustar à vida em meio a este mundo perigoso e algumas ameaças provocadas por eles mesmos.

Série totalmente zoeira. Até que curti. O episódio teve várias pegadas engraçadas, principalmente um gostosão-sabe-tudo-imitação-de-Jack-do-Lost. Falando em Lost, a série é basicamente uma sátira de Lost (pelo menos durante o piloto) rsrsrsrsrs. Mas apesar da diversão, não foi o bastante para me fazer continuar. Zoeira por zoeira, fico com Braindead (sério, assistam!) :)

Outcast

Outcast, série baseada em quadrinhos, conta a história de Kyle Barnes (Patrick Fugit), um rapaz que desde a infância, é cercado por possessões demoníacas. Kyle, mesmo descobrindo um dom único, pretende ter sua vida normal de volta. Porém antes, terá que desvendar todo mistério por trás desse mal que o atormenta.

A série é de terror. Tem possessão, demônios, crianças do mal… Não é muito a minha praia. O piloto foi mais ou menos, mas isso é muito pessoal. Se você curte esse tipo de tema, vai fundo porque a série parece que tem tudo para dar certo.


Só para lembrar que todas as minhas impressões sobre as séries são baseadas somente no episódio piloto. :)

Smacks pra vocês! ;*

Andei Vendo

Séries que Estou Assistindo – Parte I

Bora falar de séries?

Vamos! :D

Sempre tenho uma vontade IMENSA de compartilhar o que ando assistindo com alguém. Vontade de dizer: “Assiste isso JÁ porque é BOM DI DUÊ!” Umas duas semanas atrás me empolguei mandando mensagens de voz via Facebook para uma prima que disse que tinha terminado de assistir How to Get Away with Murder e não sabia o que assistir em seguida… Indiquei trocentas! hahahaha

Enfim.

Quero contar pra vocês as séries que estou acompanhando. Como vocês já podem ter uma ideia pelo título, são tantas (21 atualmente, quem sabe o amanhã?) que optei por dividir em 4 posts para não ficar longo demais.

Série Bates Motel

Bates Motel
Gênero:
suspense, mistério, família.
Temporada atual: a 4ª inicia em Março/2016.
Quantidade de episódios por temporada: 10 episódios de 45 minutos cada.

A série, baseada no filme e no livro Psicose, conta a adolescência de Norman Bates e o seu relacionamento conturbado com sua mãe Norma. Ambos recém mudaram para White Pine Bay, uma cidadezinha do Oregon, onde compraram um velho hotel e o casarão ao lado e ali tentam ganhar a vida tocando o único hotel da cidade. Norman tem 17 anos e aparentemente tem uma vida normal, estuda, tem crushes, ajuda a mãe e tem suas crises existenciais.

Bates Motel é maravilhosa, minha gente, é tudo que posso dizer. Os personagens são muito bem construídos, a trama é envolvente e as atuações… Ah, as atuações são esplendorosas! Vera Farmiga está simplesmente perfeita no papel de Norma e Freddie Highmore é impecável como Norman. O mais legal da série é podermos ver a evolução do Norman, sua psicopatia tomando forma, o relacionamento doentio, quase incestuoso, com a Norma. Pra mim, é maravilhoso poder ver essa transformação tomando forma. Pra quem é fã do filme e curte muito um thriller psicológico, eu indico!

Meu personagem favorito é o Dylan, o meio irmão do Norman. É o único que tenta manter a sanidade no meio da sujeirada toda de White Pine. Sem falar que é lindo! #hoho

Série Bones

Bones
Gênero:
comédia, crime, romance.
Temporada atual: 11ª.
Quantidade de episódios por temporada: 24 (exceto a 7ª por conta da gravidez da protagonista) episódios de 45 minutos.

A série tem como protagonista Temperence Brennan, antropologista do Instituto Jeffersonian, especializada em ossos, e o agente do FBI Seeley Both. Juntos eles resolvem casos de assassinatos pelo FBI que envolvam esqueletos, ou partes dele. Além dos dois, há os especialistas em diferentes áreas que os auxiliam na resolução do caso.

Então. Acho que de todas as séries que estou acompanhando, Bones é a que eu menos curto. Eu comecei fazendo uma maratona pelo Netflix em Novembro do ano passado e estou quase no final da 9ª temporada mas confesso pra vocês que não tô me empolgando muito não… As primeiras temporadas são ótimas, mas, como a maioria das séries procedurais (o que é isso?), os casos se tornaram nhé e as histórias dos personagens não são tão fortes para sustentá-la. Gosto muito quando aparecem assassinos onde a resolução do crime duram por vários episódios durante a temporada pois o drama é mais sólido e a trama bem mais elaborada.

Parte do fato de eu não curtir muito a série é a Brennan, personagem interpretada pela Emily Deschanel,  que é chata e extremamente arrogante. Ela tem melhorado nas últimas temporadas por motivos que não vou contar mas, né, peguei birra com a menina. Ela é tipo um Sheldon de saias mas longe de ter a parte cômica.

Meu personagem favorito é o Finn, um dos assistentes da Temperence, que só aparece na 7ª temporada e faz participação em alguns episódios somente, ou seja, bem coadjuvante mesmo. Mas adoro a simplicidade, a sinceridade e humildade do personagem. É o meu favorito de longe!

Não vou dizer para não assistirem porque isso é muito pessoal. Se estiver de bobeira no Netflix e quiser conhecer, vai fundo e depois volta pra me dizer o que achou. ;)

Série Broadchurch

Broadchurch
Gênero:
drama, crime, mistério.
Temporada atual: a 3ª inicia ainda esse ano.
Quantidade de episódios por temporada: 6 episódios de 45 minutos cada.

O corpo de um menino é achado na praia da pequena cidade de Broadchurch e fica a encargo dos detetives Alec e Ellie descobrirem quem é o assassino.

O que dizer dessa série, minha gente? Bem, posso começar dizendo que ela britânica (o que já ganha muitos pontos, né?). Posso dizer que ela é envolvente, tem uma trama muito bem construída, tem mistério, muito suspense, plot twist maravilhosos e cliffhangers de arrancar os cabelinhos do cotovelo.

(E aqui vou abrir um parenteses para falar de Gracepoint, a cópia americana de Broadchurch. Aliás, foi por conta de Gracepoint, a qual eu assisti a primeira temporada completa, que fiquei sabendo de Broadchurch. A cópia da série americana é TÃO escancarada que até o detetive Alec é feito pelo mesmo ator. NAS DUAS. (David Tennant, não entendi essa tua.) Assim. Os quatro ou cinco primeiros episódios são IGUAIS! Inclusive com as mesmas CENAS! Sim, o absurdo é grande. O que muda é o desfecho da primeira temporada e o fato da americana ter morrido por aí, enquanto a britânica teve segunda e terá uma possível terceira temporada. Resumo da ópera? Não percam tempo com Gracepoint. Vão direto para Broadchurch.)

A série é ótima! O enredo é muito bem construído… a gente desconfia a cada episódio de um ser diferente como assassino e o final surpreende pacas! Boa de duê. Assistam!

Meu personagem favorito é o Alec. Ele é rabugento, ranzinza, workaholic, chato mas ótimo. Na história, ele não é o detetive da cidade, ele é enviado para ficar no lugar de Ellie, que retorna de férias achando que será promovida. E ele também tem seus segredinhos… #hohoho

Série Fear The Walking Dead

Fear the Walking Dead
Gênero: thriller, suspense, drama.
Temporada atual: a 2ª inicia em Abril/2016.
Quantidade de episódios por temporada: 6 episódios de 45 minutos.

Falou em zumbis já rola aquela divisão básica entre os que amam e os que odeiam. Eu estou no meio. E explico. Zumbi por zumbi é legal, a ideia é maluca, mas não é o assunto que amo de paixão. Mas daí vem o seguinte: The Walking Dead e Fear The Walking Dead não são sobre zumbis, são sobre como as pessoas reagiriam a uma situação apocalíptica (e aqui você pode colocar o motivo apocalíptico que quiser. Pragas, vírus exterminador, invasão alienígena…). O foco são as pessoas! E é por isso que eu amo ambas!

Você não precisa assistir The Walking Dead pra começar assistir essa. Na verdade, acho que o sucesso foi tão estrondoso e os fãs reclamam horrores do hiatus enorme entre as temporada de TWD que os produtores devem ter enxergado possibilidades de Obamas extras nesse meio aí. Então lançaram FTWD, que estreou em agosto do ano passado com somente 6 episódios e já estamos as portas da estreia da segunda temporada.

Fear The Walking Dead conta o início do apocalipse zumbi pelos olhos da família protagonista da série. Nos mostra como foi o início do início do início MESMO! Como as pessoas ainda não tinham noção do que estava acontecendo, como o governo reagiu ao caos e, principalmente, como os civis reagiram ao caos. Então, minha gente, tem suspense, tem zumbis, tem medinho, tem roer de unhas mas tem um drama bom à beça. Lembrem-se: é sobre pessoas! E as pessoas podem ser muito escrotas em situações extremas. Ou podem ter surpreender. Que nem essa série. ;)

Não tenho personagem favorito em FTWD, até porque nem deu tempo de se apegar a qualquer um.

Série How to Get Away With Murder

How to Get Away with Murder
Gênero: drama, jurídico, suspense, mistério, crime.
Temporada atual: 2ª.
Quantidade de episódios por temporada: 15 episódios de 45 minutos.

Confesso: não sei nem como começar!

Por que? Porque HTGAWM, como é carinhosamente chamada por aí, é simplesmente maravilhosa, estupenda, boa di duê, excelente, sensacional, extraordinária, excepcional, surpreendente, fantástica, formidável, magnifica e… ai.

Perfeita. Simples assim.

Tem tudo que eu gosto. Tem suspense DO BOM, tem mistério, a protagonista é MARAVILHOSA, a trama é ótima, é Shonda Rhimes (essa mulher, vou te dizer…), tem reviravoltas, tem flashbacks, flashforwards, gente, tem tudo que é bom!

Mas deixa eu contar sobre o que é. Uma advogada de defesa (ESTUPENDA Viola Davis) que dá aula de Direito Penal na Universidade de Middleton, na Filadélfia, uma das mais prestigiadas Escolas de Advocacia na América, escolhe um grupo de alunos para trabalhar em seu escritório. Além de acompanharmos o caso “do dia”, ficamos conhecendo um pouco da cada personagem e os segredos que cada um esconde que culmina numa trama muito maior que é mostrada aos poucos em cada episódio em forma de flashforward.

Viola Davis está simplesmente sensacional na pele de Annalise Keating! Sério. Perfeita! Os personagens adjacentes são ótimos! Tanto os alunos dela como os dois ajudantes. A cada episódio é uma surpresa! E quando a gente pensa “ok, deu de reviravoltas”, tem aquela final, só pra dar o toque. Mas sem ser demais. Enfim. ASSISTAM!

Meu personagem favorito é Annalise Keating, é claro! A criatura é rainha e lacra a série. Mas faço menção honrosa ao Frank só por conta daquela barba. QUE HOMEM!

(Quantos pontos de exclamação usei nesses últimos parágrafos, mesmo?)

Culpa da empolgação!

Volte em breve com a parte II, para falar um pouco mais de outras séries que estou assistindo. ;)

Smacks pr’ocês!